Rastreio auditivo neonatal

A audição normal é fundamental para a aquisição e desenvolvimento da criança, quer na aquisição da linguagem, quer no seu desenvolvimento cognitivo e emocional.
Embora a prevalência da perda auditiva seja de 1 a 3 por 1000 recém-nascidos saudáveis e de 20 a 40 por 1000 recém-nascidos de risco. O diagnóstico e intervenção precoce aumentam as probabilidades da criança com surdez em adquirir linguagem oral e frequentar o ensino regular.

É por isso que se recomenda a realização do teste do ouvido ainda antes da alta do bebé da maternidade ou, no máximo até aos 30 dias de vida.

Em Portugal, o Rastreio Auditivo Neonatal Universal (RANU) não é
obrigatório, e não existe nenhuma legislação a nível nacional. Nas maternidades públicas realiza-se segundo alguns factores de risco. Nas maternidades privadas é realizado a todos os bebés que os pais autorizem.

Pode ser feito através das OEA (otoemissões acústicas).

As OEA são sons produzidos no ouvido interno que na maioria das patologias da surdez infantil poderão estar comprometidas.

O rastreio é rápido e indolor para o bebé. Consiste na introdução de uma sonda (microfone) no canal auditivo do bebé. É emitido um estímulo de fraca intensidade (som) e a sonda vai registar a resposta aos sons emitidos.

O resultado esperado de ambos ouvidos é:

“Passa” (pass) – Significa que aparentemente não existem alterações.

“Refere” (refer) – significa que o ouvido interno não consegue detetar o som do aparelho.

Este último resultado, pode surgir por existirem ainda secreções do parto no ouvido, por agitação do bebé, ou por efetivamente existir um compromisso da audição. A recomendação nestes casos é repetir o teste passados 15 dias e se persistir deve ser realizado o encaminhamento para um otorrinolaringologista.

Em Outubro de 2019,  O “Joint Committee on Infant Hearing” (JCIH), composto por representantes de organizações americanas, nas áreas de Audiologia, Otorrinolaringologia, Pediatria e Enfermagem sugerem novas diretrizes que fazem uma atualização às anteriores (2007), passando a regra de “1-3-6” para “1-2-3”, ou seja, antecipam o diagnóstico completo para 2 meses e a intervenção para os 3 meses de idade.

Esta antecipação na idade é justificada por duas razões essenciais: primeiro, quanto mais cedo for a intervenção, melhores resultados se esperam em termos de aquisição da linguagem; em segundo, porque se torna mais fácil fazer uma avaliação objetiva nos bebés, sem ter de se recorrer a sedação, dado que neste grupo etário consegue-se obter mais facilmente o sono natural, poupando, assim, a criança a uma anestesia.

As novas diretrizes sugerem também alterações à terminologia usada. Assim, o termo “perda auditiva” não deve ser aplicado a crianças que nasceram com surdez, pois se nunca tiveram audição não a podem ter perdido. Pode continuar a ser usado este termo se uma pessoa ouviu e passou a ter um problema de surdez.

 

Partilhar

Chamam-me Fada, ou Encantadora de Bebés! Mas na verdade sou Mãe, Mulher e Enfermeira. 

Sou uma Mulher madura, com formação na área da Saúde (enfermeira), sempre trabalhei no meio hospitalar e em paralelo desenvolvi um projecto pioneiro em Portugal chamado Kuantos Meses (Serviços pré e pós-parto).

Sou mãe de dois filhos, a Joana com 20 anos e o André com 16 anos. Com o crescimento deles surgiram novos interesses, como por exemplo o desporto e a fotografia. Associado ao desporto, uma alimentação saudável e um estilo de vida novo. Recentemente foi-me diagnosticada uma doença Auto-imune – Miastenia Gravis. Uma doença desconhecida para muitos e com a qual eu ainda estou aprender a viver. Sempre fui muito activa e sempre encarei os obstáculos como oportunidades para realizar novos projectos – Agora chegou o momento de fazer nascer o BLOG 

Femme

Aquecedor de biberões, audição, desenvolvimento cognitivo, desenvolvimento emocional, JCIH, linguagem, Otoemissoes, otoemissoes acusticas, perda auditiva, rastreio auditivo neonatal, Rastreio neonatal, recém-nascido, surdez infantil, teste do ouvido

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *