Picos de crescimento

Vou falar-vos de picos de crescimento, porque é uma realidade e ainda há pessoas que pensam que é um mito.

Mito, qual mito? Estão a pensar as mães que recentemente passaram por isto com os seus bebés!

O bebé nasce com cerca de 50 centímetros, é no primeiro ano que se dá o crescimento mais rápido, em toda a sua vida. Cerca de 25 cm e 6 a 8kg. Este crescimento é gradual, no entanto existem 3 momentos, em que se identificam alterações de comportamento, a que lhe chamamos de PICOS DE CRESCIMENTO.

Embora possam ocorrer a qualquer momento, depende de bebé para bebé, identificamos um pico de crescimento, quando o bebé apresenta uma necessidade aumentada de se alimentar (principalmente os que fazem leite materno exclusivo), levando as mães a acreditar que a produção de leite diminuiu. Como o bebé não fala, manifesta a sua necessidade, de várias maneiras:

  • Mostra sinais de fome (boca aberta, sucção intensa e em movimentos mais rápidos);
  • Dorme menos (alterações do padrão de sono);
  • Irritabilidade e por vezes choro;
  • Só acalma ao colo;
  • Inquietação durante a mamada;

Estas manifestações devem-se a um pico de crescimento que provoca uma maior necessidade calórica. Para além do crescimento, é importante não esquecer que o bebé com o crescimento também fica mais activo e essa actividade, também se reflecte nas necessidades alimentares.

Quando podemos estar presente um Pico de Crescimento?

Geralmente os picos de crescimento ocorrem entre os 17 e 20 dias, entre as 6 e 7 semanas e por volta dos 3 meses.

Este não é um esquema obrigatório, com o seu bebé pode acontecer noutras alturas, pois depende do seu desenvolvimento. Ou pode ser um falso pico de crescimento, que não está relacionado com o crescimento, mas sim com alterações do seu padrão de sono.

  • Entre os 17 aos 20 dias – Após ter recuperado o peso do nascimento, o bebé precisa de mais comida para crescer, aumentando assim a solicitação da mama. É normal, as mães ficarem confusas, e acreditarem que a produção de leite baixou e que não é suficiente. Nada disso, a natureza é sábia, e só tem de colocar o bebé à mama, sempre que ele pedir. Isso vai fazer com que a produção aumente e que o bebé fique satisfeito. Esta maior solicitação dura normalmente cerca de 2 a 3 dias. Seja paciente, é cansativo mas tudo vai voltar a normalidade.
  • Entre as 6 e as 7 semanas – Nesta altura, há mudanças no bebé e na mãe. O bebé mexe-se mais, está mais tempo acordado, o que leva a um maior desgaste físico e consequentemente uma maior necessidade alimentar. Ao mesmo tempo, por volta das 6 a 7 semanas, após o parto, ocorrem alterações no leite materno, que se manifestam no sabor (mais salgado). Esta alteração pode gerar a rejeição do bebé. Esta rejeição pode reflectir-se em choro durante a sucção, puxões do mamilo durante a amamentação, arqueamento das costas e tensão nas pernas! Mais uma vez é tudo uma questão de tempo (2 a 3 dias). Aqui é preciso paciência a dobrar! É tudo muito confuso, porque o bebé quer comer, mas chega à mama e chora e de repente decide arrancar o mamilo. Não é fácil, mas não desista!
  • Por volta dos 3 meses – Tenho más noticias, este é o pico mais difícil e dura cerca de um mês para retomar a normalidade. As mamas produzem, consoante a solicitação do bebé, para não ficarem demasiado cheias (volto a dizer que a natureza é sábia). Quando o bebé vai à mama, o leite leva de cerca de 2 minutos até sair no fluxo a que o bebé estava habituado, situação que irrita o bebé. Na maioria das vezes, o bebé mostra a sua insatisfação com choro e afasta-se da mama. Para além disto, nesta idade, o bebé tem os sentidos mais desenvolvidos o que faz com que se distraí-a com qualquer barulho ou movimento, enquanto mama. Nestes casos, por vezes à necessidade de começar a dar de mamar em sítios sem estímulos. Ou noutros, o bebé passa a mamar mais e melhor durante a noite! Paralelamente, a mãe sente as mamas mais flácidas e convence-se que está sem leite. O bebé também começa a diminuir o ganho de peso (normal nesta idade) e as duas coisas levam-a a pensar que não tem leite suficiente ou que o leite é fraco!

E é isto, as mães que desconhecem este processo, interpretam mal estes sinais e adicionam leite de fórmula, o que vai atrapalhar e demorar mais, a volta à normalidade. Ou pior ainda, DESISTE DE DAR DE MAMAR!

Por favor não cometa esse erro! Acredite nas suas mamas e se precisar peça ajuda!

PACIÊNCIA… MUITO COLO… AMOR e já está…

 

 

Partilhar

Chamam-me Fada, ou Encantadora de Bebés! Mas na verdade sou Mãe, Mulher e Enfermeira. 

Sou uma Mulher madura, com formação na área da Saúde (enfermeira), sempre trabalhei no meio hospitalar e em paralelo desenvolvi um projecto pioneiro em Portugal chamado Kuantos Meses (Serviços pré e pós-parto).

Sou mãe de dois filhos, a Joana com 20 anos e o André com 16 anos. Com o crescimento deles surgiram novos interesses, como por exemplo o desporto e a fotografia. Associado ao desporto, uma alimentação saudável e um estilo de vida novo. Recentemente foi-me diagnosticada uma doença Auto-imune – Miastenia Gravis. Uma doença desconhecida para muitos e com a qual eu ainda estou aprender a viver. Sempre fui muito activa e sempre encarei os obstáculos como oportunidades para realizar novos projectos – Agora chegou o momento de fazer nascer o BLOG 

Femme

amamentação, choro, crescimento, fome, irritabilidade, leite materno, Natureza sábia, necessidades alimentares, paciência, padrões de sono, picos de crescimento, solicitação, sucção

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *