Mês amarelo – Endometriose

Não podia deixar o mês de Março terminar, sem vos falar sobre a Endometriose. E Porquê?

Porque é uma doença que afecta uma em cada dez mulheres em idade fértil, e é neste mês que se realizam várias campanhas de sensibilização sobre uma doença, com tão grande incidência e que muitas pessoas ainda não ouviram falar.

A Endometriose é uma doença crónica e benigna que é caracterizada pela presença de tecido endometrial fora do seu local habitual, que é a cavidade úterina.

Quando ocorre a menstruação esses locais acabam também por sangrar, o que vai originar uma acção inflamatória, que se repete mensalmente, acabando por formar aderências, posteriormente fibrose dos tecidos, causando o aparecimento de tumores, que embora benignos, podem causar consequências e alterações nos orgãos vizinhos, nomeadamente no intestino, na bexiga e nos ureteres.

A endometriose é uma doença cuja a causa ainda se continua a desconhecer, no entanto sabemos que existem múltiplos factores, nomeadamente, factores genéticos, hormonais, imunológicos e até ambientais que podem interferir no aparecimento e evolução da doença. Na maioria dos casos, não tem cura e apenas se orienta o tratamento para o alívio da dor e dos outros sintomas, para aumentar as possibilidades de gravidez e reduzir o aparecimento dos focos de endometriose.

Para além da dor Menstrual (Dismenorreia), é frequente também, haver queixas de dor no acto sexual, a chamada Dispareunia. Nas formas mais graves da doença, quando há comprometimento dos orgãos vizinhos, na altura da menstruação para além da dor menstrual, pode haver queixas a nível da bexiga (Disúria), dos intestinos, principalmente ao evacuar (Disquézia). O que pode fazer com que a mulher ande durante anos com diagnósticos de colón irritável, bexiga sensível, ou de infecções urinárias de repetição, que não o são. Outras queixas menos comuns, mas que fazem parte do quadro das queixas das mulheres que sofrem de endometriose são dor inguinal (canal de Nuck), dor torácica, dor difusa ou crónica na região pélvica, fadiga crónica e exaustão, hemorragias e Infertilidade.

Uma mulher que pare a pílula e que começa com um quadro doloroso, de agravamento progressivo e que ao mesmo tempo não consegue engravidar, pode ter endometriose.

O Diagnóstico precoce é de extrema importância em todos os sentidos. Na dúvida procure um médico especializado nesta área.

Partilhar

Chamam-me Fada, ou Encantadora de Bebés! Mas na verdade sou Mãe, Mulher e Enfermeira. 

Sou uma Mulher madura, com formação na área da Saúde (enfermeira), sempre trabalhei no meio hospitalar e em paralelo desenvolvi um projecto pioneiro em Portugal chamado Kuantos Meses (Serviços pré e pós-parto).

Sou mãe de dois filhos, a Joana com 20 anos e o André com 16 anos. Com o crescimento deles surgiram novos interesses, como por exemplo o desporto e a fotografia. Associado ao desporto, uma alimentação saudável e um estilo de vida novo. Recentemente foi-me diagnosticada uma doença Auto-imune – Miastenia Gravis. Uma doença desconhecida para muitos e com a qual eu ainda estou aprender a viver. Sempre fui muito activa e sempre encarei os obstáculos como oportunidades para realizar novos projectos – Agora chegou o momento de fazer nascer o BLOG 

Femme

colón, diagnóstico, Dismenorreia, dispareunia, disquézia, disúria, dor menstrual, endométrio, Endometriose, factores genético, infertilidade, Mês amarelo, Mulher

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *