Imunoglobulina Anti-D (Rh)

Quando a grávida é Rh negativo e o outro progenitor é Rh positivo pode haver um problema de compatibilidade entre o sangue da mãe e o sangue do bebé. Neste caso, quando o sangue do bebé entra na corrente sanguínea da grávida, as defesas desta vão encará-lo como um invasor e produzir anticorpos contra o sangue do bebé. Estes anticorpos atravessam a placenta e podem atacar o sangue do bebé.

Para que isto não aconteça, recomenda-se a administração da Imunoglobulina Anti- D. A Imunoglobulina Anti-D (Rh) é obtido apartir do sangue de outra pessoa que já tem anticorpos anti-Rh e é administrado por injecção  intramuscular. Está indicada por rotina a administração de imunoglobulina Anti-D entre as 27 e as 29 semanas de gravidez. Ou até 72 horas após o parto se o bebé for Rh positivo. E, ainda, em casos de aborto (espontâneo ou provocado), gravidez ectópica, realização de manobras invasivas (amniocentese ou biopsia das vilosidades coriónicas), versão cefálica externa (virar o bebé), descolamento da placenta, placenta prévia (placenta localizada sobre o colo do útero), traumatismo abdominal ou qualquer outra situação em que o sangue do bebé possa entrar na corrente sanguínea da grávida.

Por norma os efeitos secundários, são raros e geralmente ligeiros. Pode existir um ligeiro desconforto no local da injecção e/ou febre ligeira. Muito raramente podem surgir reacções de hipersensibilidade mais graves e podem manifestar-se por dores musculares, febre, sensação de estar doente, aumento do baço, aumento dos níveis de bilirrubina e choque anafiláctico. Por ser um produto que é usado para prevenir a formação de anticorpos, a Imunoglobulina Anti-D (Rh) pode interferir com a eficácia de certas vacinas (sarampo, parotidite, rubéola, varicela). Se tiver de fazer alguma vacina no período de 3 meses após a administração desta imunoglobulina, deve aconselhar-se com o seu médico.

Se o pai da criança também for Rh negativo, não é geneticamente possível que o bebé seja Rh positivo, pelo que o risco de produzir anticorpos não existe. Se não tem certezas sobre o Rh do pai recomenda-se a realização da imunoglobulina Anti-D (Rh).

A administração deve ser registada no boletim da grávida, por isso não se esqueça de o levar consigo.

 

 

Partilhar

Chamam-me Fada, ou Encantadora de Bebés! Mas na verdade sou Mãe, Mulher e Enfermeira. 

Sou uma Mulher madura, com formação na área da Saúde (enfermeira), sempre trabalhei no meio hospitalar e em paralelo desenvolvi um projecto pioneiro em Portugal chamado Kuantos Meses (Serviços pré e pós-parto).

Sou mãe de dois filhos, a Joana com 20 anos e o André com 16 anos. Com o crescimento deles surgiram novos interesses, como por exemplo o desporto e a fotografia. Associado ao desporto, uma alimentação saudável e um estilo de vida novo. Recentemente foi-me diagnosticada uma doença Auto-imune – Miastenia Gravis. Uma doença desconhecida para muitos e com a qual eu ainda estou aprender a viver. Sempre fui muito activa e sempre encarei os obstáculos como oportunidades para realizar novos projectos – Agora chegou o momento de fazer nascer o BLOG 

Femme

A Imunoglobulina Anti-D (Rh), boletim de grávida, factor Rh, grávidas, gravidez, pós-parto, Rh negativo, saúde da grávida

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *