Eu sinto-me abençoada por estar aqui e por ter sobrevivido!

Uma história incrível com muitos sentimentos à flor da pele.

Para mim é uma lição de vida! Já sigo a Haven Shepherd há algum tempo no Instagram. As fotos dela sempre me chamaram a atenção. Sempre sorridente, acompanhada das suas duas próteses! Cheguei a falar sobre ela, com a minha família:

– Já viram esta jovem sem pernas no ginásio, a correr e a nadar? Parece não ter limitações!

Não sabia como ela tinha perdido as pernas, quando ela me contou, fiquei arrepiada! QUE HISTÓRIA!

Nasceu no Vietname em 2003 fruto de uma relação extra-conjugal, numa cultura em que o divórcio não é aceite! Como sabia que não iam ficar juntos, o pai de Haven decidiu cometer o suicídio colectivo em família e detonar um explosivo. Tinha apenas 14 meses e sobreviveu!!! Os pais morreram, e ela perdeu as duas pernas.

“Eu sobrevivi a algo tão dramático – eu não deveria viver”, diz Haven.

Os avós não tinham recursos e foi com o apoio e doação de famílias locais que conseguiu cuidados médicos. Consciente das suas dificuldades económicas e sem capacidade para criar um bebé deficiente, a avó pediu ajuda a uma instituição e colocou-a para adopção.
Shelly e Rob Shepherd, viviam a 13.000 quilómetros de distância, numa pequena cidade no Missouri, EUA e tiveram conhecimento da história da Haven, através da comunidade local, e não pensaram duas vezes, viajaram até ao Vietname. Depois de uma longa viagem de avião e de uma atribulada viagem de mota pelas montanhas, conheceram Haven, que de imediato lhe estendeu os braços:

Naquele momento sabia que ela era minha filha. ela era a pessoa que eu estava à espera, quando vi a minha esposa a pegar-lhe ao colo, foi como um nascimento, foi um momento paternal – Diz Rob.

Regressaram a casa para junto dos 6 filhos de Shelly e Rob, dia em que Haven descreve como seu “dia da pegadinha”.

Não se lembra de ter pernas. E reconhece que foi importante o apoio da família, que nunca a tratou de maneira diferente.

Adoro as minhas pernas falsas, e adoro a atenção que elas recebem – Diz Haven.

Por volta dos 10 anos começou a nadar, mas só cerca de dois anos depois, é que ingressou na equipe de natação do condado em Missoury, onde ela era a única atleta com deficiência. É na água que se sente livre, que pode tirar as próteses e não precisar da ajuda de ninguém.

Neste momento prepara-se para representar os EUA nos Paralímpicos de Tóquio 2020, onde acredito que vai fazer história! Pois para além da natação, há toda uma preparação física que Haven vai partilhando no seu Instagram.

. Esta é a história de uma criança que podia ficar agarrada ao seu passado, ou agarrar no seu passado e mostrar que tudo é possível no Futuro!

Foto do Instagram de @havenfaithshepherd

 

Partilhar

Chamam-me Fada, ou Encantadora de Bebés! Mas na verdade sou Mãe, Mulher e Enfermeira. 

Sou uma Mulher madura, com formação na área da Saúde (enfermeira), sempre trabalhei no meio hospitalar e em paralelo desenvolvi um projecto pioneiro em Portugal chamado Kuantos Meses (Serviços pré e pós-parto).

Sou mãe de dois filhos, a Joana com 20 anos e o André com 16 anos. Com o crescimento deles surgiram novos interesses, como por exemplo o desporto e a fotografia. Associado ao desporto, uma alimentação saudável e um estilo de vida novo. Recentemente foi-me diagnosticada uma doença Auto-imune – Miastenia Gravis. Uma doença desconhecida para muitos e com a qual eu ainda estou aprender a viver. Sempre fui muito activa e sempre encarei os obstáculos como oportunidades para realizar novos projectos – Agora chegou o momento de fazer nascer o BLOG 

Femme

Amputada, EUA, Natação, Paralímpicos, Paralímpicos Tóquio 2020, Proteses, sentimentos à flor da pele, Vietname

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *