Afinal o que é a Placenta?

A palavra placenta é de origem Grega plakuos e significa “bolo liso”.

É a placenta que permite toda a “comunicação” entre mãe e o bebé durante a gravidez. A formação ocorre na fase inicial da gravidez e esta abandona o útero logo após o nascimento. No final da gravidez pesa cerca de meio quilo, tem aproximadamente 20-25 cm de diâmetro e 2-3 cm de espessura.

A Placenta é um orgão formado por tecidos maternos e embrionários. Ao contrário do que poderia pensar, a placenta não envolve o embrião. Essa função é exercida pelo âmnio (bolsa d’água), dentro do qual o embrião fica imerso.

As principais funções da placenta são:

  • Respiratória: Transporta oxigénio do sangue da grávida para o feto e dióxido de carbono do feto para a grávida.
  • Nutricional: Transfere para feto os nutrientes necessários para ele crescer e desenvolver-se. Além disso, a placenta realiza funções similares às do fígado, enquanto o mesmo ainda não estiver desenvolvido no bebé, modificando algumas substâncias antes de chegar ao feto e regulando a glicémia.
  • Hormonal: A placenta produz hormonas tais como como os estrogénio e a progesterona indispensáveis para a evolução da gravidez.
  • Excretora: A placenta filtra para a corrente sanguínea da mãe os resíduos que serão eliminados através dos rins do bebé.
  • Imunitária: Transmite anticorpos da mãe e gera imunidade para determinadas doenças infecciosas.

Idealmente a placenta deve manter-se íntegra para um desenvolvimento normal do bebé. Nem sempre isso acontece, ocorrendo alterações como:

  • Placenta prévia – A placenta prévia, é também chamada de placenta baixa, e acontece quando a placenta se desenvolve parcial ou totalmente na região inferior do útero, podendo impedir o parto vaginal. A placenta prévia é comum no início da gravidez e não é muito preocupante, pois com o crescimento do útero, ao longo da gravidez, é possível que a placenta se desloque para  o local correto.
  • Descolamento da placenta – é quando a placenta se descola da parede do útero. Nesta complicação ocorre sangramento, normalmente dores abdominais fortes e é habitualmente uma situação de emergência.
  • Placenta Acreta –  é uma situação em que a placenta se fixa de forma anormal ao útero, Esta complicação provoca uma dificuldade na expulsão da placenta após o parto, podendo causar hemorragia.
  • Placenta calcificada ou envelhecida – Acontece quando este órgão deixa de funcionar corretamente, impedindo a comunicação correcta entre a mãe e o bebé, ocasionalmente, provocando problemas no crescimento fetal.
  • Trombose placentária – Ocorre quando há o entupimento de algum vaso sanguíneo da placenta, o que caracteriza uma trombose. Esta complicação pode ser a causa de abortos no inicio da gravidez ou pode não causar problemas, passando despercebido.

Foto: Instagram – eobstetricsandgynecology

Partilhar

Chamam-me Fada, ou Encantadora de Bebés! Mas na verdade sou Mãe, Mulher e Enfermeira. 

Sou uma Mulher madura, com formação na área da Saúde (enfermeira), sempre trabalhei no meio hospitalar e em paralelo desenvolvi um projecto pioneiro em Portugal chamado Kuantos Meses (Serviços pré e pós-parto).

Sou mãe de dois filhos, a Joana com 20 anos e o André com 16 anos. Com o crescimento deles surgiram novos interesses, como por exemplo o desporto e a fotografia. Associado ao desporto, uma alimentação saudável e um estilo de vida novo. Recentemente foi-me diagnosticada uma doença Auto-imune – Miastenia Gravis. Uma doença desconhecida para muitos e com a qual eu ainda estou aprender a viver. Sempre fui muito activa e sempre encarei os obstáculos como oportunidades para realizar novos projectos – Agora chegou o momento de fazer nascer o BLOG 

Femme

bebé, Descolamento placenta, Estrogenio, feto, gravidez, hormonas, Placenta, placenta acreta, progesterona

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *